Meu irmão Derli encontrou um texto muito bom no Site www.kabbalahlearningcenter.info/index.php, traduzi-o e teve a gentileza de o disponibilizar, por email, para os irmãos. Pedi-lhe e autorizou a sua postagem neste Blog. Aproveitem.

               “A força de nossas orações é determinada pela força de nosso desejo. Em geral, quando nós investimos esforços no intuito de alcançar alguma coisa, nosso desejo de atingir ou alcançar isto é incrementado. A força de nossos desejos pode ser julgada por quanto sofrimento nós sentimos pela ausência do objeto do desejo… Sofrimento, não expresso em palavras, mas sentido unicamente no coração é em si mesmo uma prece.

               Procedendo como acima mencionado, nós podemos reconhecer que somente depois de extenuantes, ainda sem sucesso, esforços para alcançar aquilo que desejamos, podemos  orar tão sinceramente que nós receberemos isto. Se, durante nossas tentativas de aprofundarmos no entendimento do texto (refere-se ao estudo da cabala), nosso coração não está completamente livre de pensamentos extrínsecos, então nossas mentes não serão capazes de devotar-se exclusivamente ao estudo, em virtude de que a mente obedece ao coração.

               Para que o Criador aceite nossas preces, elas devem vir do fundo de nossos corações. Desta forma, todos os nossos desejos devem estar concentrados naquela oração. Por esta razão, nós devemos mergulhar no estudo do texto centenas de vezes, mesmo sem entendê-lo, com a finalidade de alcançar nosso verdadeiro desejo: sermos ouvidos pelo CRIADOR.

               Um desejo verdadeiro não deixa espaço para nenhum outro desejo. Enquanto estudando Kabbalah, nós examinamos as ações do Criador e então poderemos progredir na direção D’Ele. Gradualmente, então, nós nos tornaremos merecedores de compreendermos o que estamos estudando.

               Fé, ou a consciência do Criador, deve ser como sentir que nós estamos na presença do Rei do Universo. Então, indubitavelmente, nós nos tornamos imbuídos com o necessário sentimento de amor e temor (respeito). Até nós alcançarmos esta fé, devemos continuamente lutar por isto. Já que é somente a fé que nos permite apreciar uma vida espiritual e prevenir-nos de navegarmos nas profundezas do egoísmo, uma vez mais nos tornando “buscadores de prazeres”.

              Nossa necessidade de estarmos cientes do Criador deve ser cultivada até isto tornar-se permanentemente entrincheirado em nosso ser. Isto deve assemelhar-se a uma permanente atração em direção ao Amado, sem O QUAL a vida parece INSUPORTÁVEL.”

Tradução: Derli Stopato da Fonseca

Anúncios