Religiosidade motivada pelo espírito de massa e abuso da prática de fazer promessas.

Setenta anos é o tempo de nossa vida,

oitenta anos se ela for vigorosa;

e a maior parte deles é fadiga e mesquinhez,

pois passam depressa, e nós voamos.

Salmo 90:10.

Lembrando:

A Bíblia de Jerusalém dá ao capítulo 4º do livro de Eclesiastes o subtítulo “A Vida em Sociedade” e o estende até o versículo 8º do capítulo 5º, dividindo-o assim: versos 4:1-12 – Opressão pelo abuso de poder e desamparo do homem isolado; versos 4:13-16 – Maquinações políticas; versos 4:17 até 5:6 – Religiosidade motivada pelo espírito de massa e abuso na prática de fazer promessas; versos 5:7-8 -Tirania do poder. Vamos seguir esta divisão.

Eclesiastes Cap. 5 (Linguagem de hoje):

1  Tenha cuidado quando for ao Templo. Não ofereça o seu sacrifício como fazem os tolos, que nem sabem que não estão fazendo isso da maneira certa. Vá pronto para ouvir e obedecer a Deus.

2  Pense bem antes de falar e não faça a Deus nenhuma promessa apressada. Deus está no céu, e você, aqui na terra; portanto, fale pouco.

3  Quanto mais você se preocupar, mais pesadelos terá; e, quanto mais você falar, mais tolices dirá.

4 Assim, quando você fizer uma promessa a Deus, cumpra logo essa promessa. Ele não gosta de tolos; portanto, faça o que prometeu.

5  É melhor não prometer nada do que fazer uma promessa e não cumprir.

6  Não deixe que as suas próprias palavras o façam pecar. Assim, você não terá de dizer ao sacerdote que o que você queria dizer não era bem aquilo. Para que fazer Deus ficar irado com você? Por que deixar que ele destrua as coisas que você conseguiu com o seu trabalho?

7  Mesmo nos seus muitos sonhos, em todas as suas ilusões e em tudo o que disser, você deve temer a Deus.

Esclarecimentos: 1) O verso 4:17 na versão da Bíblia de Jerusalém, é o verso 5:1 na versão da Linguagem de Hoje; 2) Acrescentei o verso 7 pois se adéqua melhor ao sub-título deste grupo.

Tarefa difícil a dos tradutores bíblicos! Se tiverem oportunidade de pesquisarem outras versões, notarão a variedade de interpretações de alguns trechos. A Bíblia de Jerusalém trás a indicação de que se trata de “tradução do texto em língua portuguesa diretamente dos originais”. Sinto-me na obrigação de colocar também a sua versão:

Capítulo 4:

17 Vigia teus passos, quando fores à casa de Deus: aproximar-se para ouvir é mais aceitável que o sacrifício oferecido pelos insensatos que agem mal sem se dar conta. (e trás esta nota: Ou: “pois eles não sabem se estão praticando o mal”. Todo este verso é difícil de se entender.)

Capítulo 5:

1 Quando apresentas um assunto a Deus, que não te precipitem os lábios e nem te arraste o coração, porque Deus está no céu e tu na terra; portanto, sejam poucas as tuas palavras.

2 Pois das muitas ocupações vem o sonho, e das muitas palavras o alarido do néscio.

3 Uma vez feita uma promessa a Deus, não demores em cumpri-la, porque a Deus não agradam os néscios. Cumpre o que prometeste.

4 É melhor não fazer promessas do que fazê-las e não cumpri-las.

5 Não deixes que tua boca te faça réu de pecado, nem digas depois ao mensageiro que foi por inadvertência: pois Deus se irritará ao ouvir-te e fará fracassar teus empreendimentos. (com esta nota: Poder-se-ia ver no “mensageiro” o anjo, em cuja presença não é possível desculpar-se: uma das funções do anjo é a de anotar as boas obras (cf. Tb 12,12 +; Ap 10,4); ou ainda o sacerdote, diante do qual são feitas as promessas (cf. Ml 2,7). Os LXX leram “Deus” em lugar de “mensageiro”.- Acerca dos pecados por inadvertência, cf. Lv 4; Nm 15,22s.)

6 Pois muitos sonhos produzem muitas palavras e vaidades. Tu, porém, teme a Deus. (Nota: Este breve provérbio (lit.: “em numerosos sonhos e vaidades e múltiplas palavras”) está provavelmente mutilado. Alguns lêem a continuação do v. 2 da seguinte maneira: “de muitas preocupações vêm os sonhos, e de muitas palavras as vaidades”; ou ainda: “de muitos sonhos vêm as vaidades, abundância de palavras e busca de vento”. Mas essas conjecturas não têm o apoio das versões antigas.)

Façamos algumas considerações.

É fundamental destacar o temor do povo Judeu para com Deus, o respeito com os lugares destinados ao seu culto e, enfim, com todas as coisas que lembrassem a Divindade. Os solenes rituais das cerimônias o atestam. Outros pequenos exemplos:

* O temor de Jacó após despertar da visão da escada que ligava a terra ao céu e por onde subiam e desciam os anjos:

Gênesis 28:16  Despertado Jacó do seu sono, disse: Na verdade, o SENHOR está neste lugar, e eu não o sabia.17  E, temendo, disse: Quão temível é este lugar! É a Casa de Deus, a porta dos céus.

*A ordem do anjo do Senhor a Moisés quando este se dirigiu à sarça que ardia no fogo:

Êxodo 3:5  Deus continuou: Não te chegues para cá; tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é terra santa.

*A ordem do anjo, o Príncipe do exército do Senhor, a Josué:

Josué 5:15  Respondeu o príncipe do exército do SENHOR a Josué: Descalça as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é santo. E fez Josué assim.

*A beleza dos Salmos dos quais é pinçado este verso:

Salmos 89:7  Deus é sobremodo tremendo na assembléia dos santos e temível sobre todos os que o rodeiam.

E eu nunca me esqueço do versículo que enfeitava o púlpito da Igreja Presbiteriana de Ribeirão Preto quando, jovem, eu a freqüentava e era pastor o Ver. Adauto Araujo Dourado:

Habacuque 2:20  O SENHOR, porém, está no seu santo templo; calese diante dele toda a terra.

De sorte que, o Coélet, no seu afã de transmitir ensinamentos aos mais novos, tenha de deixar claro que cumprir com as obrigações religiosas não era simplesmente um ato social, um seguir a tradição, acompanhar a maioria. . . Cumprir compromisso com o Supremo só pode ser ação pensada e repensada, consciente. Agir daquela forma é ser colocado com os tolos, insensatos. Veja alguns esclarecimentos do Aurélio sobre estes vocábulos:

Tolo:

1. . . . sem inteligência ou sem juízo.  2.Tonto, simplório, ingênuo.  3.Boquiaberto, pasmado. 4.Vaidoso, presunçoso.  5.Ridículo (pessoa ou coisa).  6.Que não tem razão de ser; infundado.
7.Que não faz sentido; disparatado.

Insensato:

1. Falto de senso ou razão; demente, louco; descocado.

Vigia os teus passos quando fores à casa de Deus.” – Ensinamento oportuno, em todos os tempos.

Vá pronto para ouvir e obedecer a Deus.” OU: “aproximar-se para ouvir é mais aceitável que o sacrifício Como é difícil “ouvir”. Não sou eu que digo isto, são os especialistas. Ouça Carlos Alberto de Faria, ‘expert’ em marketing (http://www.merkatus.com.br):

“Muitos ouvem o que querem ouvir, não o que o outro está tentando dizer. Muitos levantam seus filtros internos e sua vivência e interpretam o dizer dos outros, ainda enquanto a pessoa tenta se expressar à sua frente.”

Isto você sabia? É lógico, é assim que eu faço, é assim que você faz. O senhor Faria dá algumas dicas para aprendermos a ouvir, que inclui:

– Ouvir é despojar-se de si mesmo;

– Saber ouvir é um ato de humildade;

– Saber ouvir é algo que só acontece quando não deixamos as emoções nascidas no coração avolumarem-se primeiramente interpondo-se nesse processo.

Ouvir é um exercício de autoconsciência – Ensina Rogério Lemos: (http://revistavocerh.abril.com.br/noticia/especiais/conteudo_592955.shtml).

O bispo Júlio Freitas (http://bispojulio.com/saber-ouvir/) nos diz:

“Muitas vezes, o “ruído” dos nossos problemas, da rotina diária e de tudo o que nos rodeia é tão grande que quando oramos, o nosso espírito apenas consegue ouvir a nossa própria voz a clamar por aquilo que queremos que Deus faça por nós. Nessas ocasiões, esquecemo-nos de que Deus também fala conosco, dizendo-nos a Sua vontade, confortando-nos e assegurando-nos do cumprimento da Sua Palavra nas nossas vidas.”

O professor Aristides J. Gomes Freire Filho (http://www.artigos.com/artigos/humanas/sucesso-e-motivacao/saber-ouvir-7609/artigo/), entre outros conselhos, sugere:

  • Isole o seu pensamento de tudo o que é seu;
  • Não processe as informações, apenas as receba;
  • Esteja pronto a assimilar as informações, sejam elas quais forem.

A Cabala ensina que as sensações que nos chegam através de qualquer um de nossos cinco sentidos são processadas não só por nossos órgãos físicos, mas, principalmente, pela estrutura de conhecimentos, desejos, “regras de decisões” que acumulamos durante nossa existência – a nossa personalidade? Assim, a ‘realidade’ que percebemos é fruto da ‘realidade’ que já temos pronta em nós mesmos. Isto vale também para o “ouvir”. Nós ouvimos aquilo que queremos ouvir – você certamente já teve esta experiência. Portanto, o que dizem os especialistas não é, necessariamente, coisa estranha. Nós só a esquecemos a toda hora.

E é isto que Eclesiastes está dizendo: indo à casa de Deus, preste atenção ao que Ele te diz; Ele está nos céus – é a Suprema Inteligência, a Suprema Sabedoria, o Supremo Conhecimento, etc. etc… – foi Ele quem te criou, quem te dá a vida, quem te fez, portanto dê-Lhe o crédito de um conselho, uma orientação para tua existência. Deixa de lado a tua vaidade, o teu “sei tudo”, a tua arrogância (eu quero isto!!!).

Huberto Rohden dá muita ênfase à meditação silenciosa, o que também é recomendação de muitos outros espiritualistas e, hoje, até mesmo teólogos católicos prescrevem esta prática em algumas comunidades. Será que bons ventos sopram sobre a humanidade? Assim seja!

ESPERO CONTINUAR.

Anúncios