Vivemos momentos difíceis e muitas vezes nos irritamos com isto, pensando em dar soluções radicais e imediatas aos “erros”, “safadezas” dos outros. Tudo bem, acho que temos mesmo é não nos conformarmos! Quanto à nossas soluções… Acredito que primeiro temos de lembrar o ensino de JOÃO CASSIANO e LELOUP referido no “post” de 4 de novembro/2010: CONSIDERAR OS DEFEITOS OU PECADOS DOS OUTROS COMO SEUS. E, agora, para complicar um pouco mais as nossas decisões apressadas, submeto-lhes um novo texto da Cabala sob o título original “Nowhere to hideem

https://mail.google.com/mail/?hl=pt-br&shva=1#label/Kabbalah/12d46653af0f02ab

(OBS.: se alguém tiver uma melhor tradução para o todo ou parte, favor entrar em contato)

Nós todos dependemos uns dos outros cem por cento. Em diferentes áreas isto se manifesta em graus diferentes; no entanto, qualquer percentagem exceto “cem por cento” é uma mentira. Se tão só um por cento estiver visível, isso significa que o restante 99% está apena oculto.

De um jeito ou de outro, a nossa interdependência é absoluta, mesmo que pareça o contrário. Onde quer que você olhe, estamos ligados com correntes de ferro de   respeito mútuo, e não há para onde fugir.

Quanto mais claramente isto se manifesta, mais alto será o grito, o choro, da humanidade. Na verdade, isso significa que você depende de seus inimigos e rivais, de cada um  e em tudo, e você não sabe o que fazer com isto.

Como em uma família, um marido e mulher descobrem que se odeiam mas que há total dependência entre eles. São inseparáveis, não há lugar para onde ir. Aqui está o seu pequeno apartamento, seus filhos, sua geladeira, o seu patrimônio. Entretanto, por cima de tudo isso, se odeiam  até a morte, mas ainda não podem morrer.

Tal situação insuportável deve ser de algum modo flexibilizada, acalmada. Afinal, isto é o que chamamos de nascimento de um novo mundo, as contrações antes da chegada do Messias.

Não devemos esperar que, tendo compreendido o que está acontecendo, o mundo vai saber como agir. Nos ‘Escritos de Última Geração’, Baal Há Sulam escreve que as pessoas nunca irão entender isso, e nunca um inimigo entrará em acordo com outro inimigo. Assim, vemos a importância da circulação da Cabala e a nossa união como um modelo para toda a humanidade

Anúncios