No dia 11 deste mês recebi de meu irmão Rogélio um ‘pps’ intitulado “Troca de Plantão”. É mais ou menos assim:

Jesus Cristo resolveu dar uma chegadinha na terra e escolheu o nosso abençoado Brasil para esta primeira visita. Deparando com um médico de plantão em uma unidade do SUS, já cansado pelos pepinos enfrentados e pelas longas horas já dedicadas ao atendimento, resolveu substituí-lo. Tomou um jaleco branco e, passando pelos corredores, os pacientes em espera comentaram: “Já é hora de mudar o plantão.” Entrando na sala do médico, Jesus disse que viera substituí-lo. Tão logo aquele se ausentou, Jesus abriu a porta do consultório e chamou: “O próximo”. Entrou um senhor idoso, paraplégico, manobrando sua cadeira de rodas. Jesus levantou-se, deu a volta à mesa, colocou sua mão sobre a cabeça do paciente e disse: “Levanta, toma a sua cadeira de rodas e pode se retirar.” Assim ele fez: saiu, de pé, empurrando sua cadeira de rodas. No corredor, o próximo a ser atendido indagou: “E aí, como é o novo médico?” – Respondeu: “Como os outros, nem examina e manda embora.”

Embora a historinha se declarasse com o objetivo de ‘descontrair’, e lógico que terminou com uma mensagem: Muitos já receberam o milagre e continuam reclamando da situação.

Hoje, no Site http://www.aprendendoingles.com.br/, que visito regularmente para melhorar o vocabulário através de pequenos contos, a maioria das vezes engraçados, encontrei esta história intitulada “O fazendeiro otimista e seu vizinho pessimista”, que tentei traduzir:

O sol estava brilhando no seu esplendor e o fazendeiro disse ao vizinho: “Olha que lindo dia!”

Ao que o outro respondeu: “Este estúpido sol vai queimar a colheita.”

No dia seguinte estava chovendo. Novamente o otimista tenta animar seu amigo, mas a resposta dele é: “Raios, esta chuva vai levar embora todas as sementes.”

Então o otimista levou o amigo para uma caçada de patos, do que ele sabia  que o amigo gostava. Depois de acertar o primeiro pato com um tiro, o otimista despacha seu cachorro para buscar o pato. O cão corre sobre as águas (devia ser de um lago), pega o pato e volta com a presa, correndo novamente sobre as águas.

O otimista exclama: “Você viu isto?”

E o pessimista replica: “Este cão não sabe nem nadar!”

Então resolvi juntar as duas histórias, ditas engraçadas, para lembrar um ensino da Cabala (que espero haver entendido corretamente): Nós entendemos o mundo que nos rodeia através das estruturas sensórias, emocionais, mentais etc., que já temos levantadas, prontas, dentro de nós mesmos. Daí, muitas conclusões incorretas!

Será que acertei?