Setenta anos é o tempo de nossa vida,

oitenta anos se ela for vigorosa;

e a maior parte deles é fadiga e mesquinhez,

pois passam depressa, e nós voamos.

Salmo 90:10.

 

A Repreensão

 

 

Eclesiastes 7:

5 – Mais vale escutar a repreensão de um sábio que escutar os elogios dos néscios.

6 – Pois como o crepitar dos gravetos por debaixo da caldeira é a risada do néscio. E também isto é vaidade.

Bíblia de Jerusalém.

Mais alguns versículos bíblicos que cuidam do mesmo assunto:

O que ama a correção ama o conhecimento; mas o que aborrece a repreensão é insensato.
Provérbios 12:1

Mais profundamente entra a repreensão no prudente, do que cem açoites no insensato.
Provérbios 17:10

Um Provérbio Chinês:

Quem me lisonjeia é meu inimigo; quem me repreende é meu mestre.

Estavam também de acordo com o Coélet:

Quem pode suportar uma repreensão e com ela emendar-se, se não é sábio, está a caminho de o ser.

(Benjamin Franklin)

Uma das condições mais necessárias para fazermos coisas dignas de elogios é não termos medo de repreensões.

(A. Graf)

Para quem, desde tenra idade, foi educado em um lar cristão, conhece este ensino:

A vara e a repreensão dão sabedoria; mas a criança entregue a si mesma envergonha a sua mãe.
Provérbios 29:15

Aliás, eu também ouvi este provérbio da boca de um catedrático da FEA-USP, no primeiro ano de Administração de Empresas, quando o ilustre mestre contrariava a tese que então entrava em voga, segundo a qual não se devia repreender com palmadas a criança malcriada. A malfadada proposição virou moda, derrotando seus argumentos, e vemos hoje como as adoráveis crianças mimadas socam, ofendem, desprezam seus “compreensivos” professores e pais.

Para realçar o valor do que aprendemos na juventude, dois versos bíblicos com uma história contundente:

1 Samuel

3.13   Porque já lhe disse que julgarei a sua casa para sempre, pela iniqüidade que ele bem conhecia, porque seus filhos se fizeram execráveis, e ele os não repreendeu.

3.14   Portanto, jurei à casa de Eli que nunca lhe será expiada a iniqüidade, nem com sacrifício, nem com oferta de manjares.

Como a gente precisa ter fé, esperemos que a estupidez hoje apregoada seja um dia revogada.

 

A repreensão, é óbvio, não se restringe às crianças, muito pelo contrário, pois que, muitos adultos podem não ter tido uma boa educação ou esqueceram o que lhes foi ensinado. Às vezes, até mesmo uma má orientação ou má compreensão de uma situação pode levar a uma decisão que não seja a correta e deva merecer a admoestação como deixa transparecer esta recomendação em um Site de liderança:

Um chefe que receia fazer os reparos necessários com pretexto de evitar atritos, mostra-se incapaz porque cria à sua volta uma atmosfera propícia à organização da desordem e do “deixa-correr” em todas as suas formas, e o resultado inesperado é que o chefe pusilânime que julga, por ser espírito de tolerância, atrair a si as simpatias dos seus subordinados, acabará, cedo ou tarde, por ser objeto do seu profundo desprezo.

A ARTE DE REPREENDER

http://lideranca.aaldeia.net/repreender.htm 

 

Quem já teve a grata felicidade de compulsar o Velho Testamento, sabe da existência dos Profetas, mensageiros do Altíssimo, continuamente cuidando do povo Hebreu e sempre que necessário, repreendendo-o severamente. Só citando alguns: Abraão, Daniel, Eliseu, Ezequiel, Isaias, Jeremias, João Batista, Samuel… Nem mesmo os reis ficavam isentos de implacáveis repreensões. Por exemplo, vocês já ouviram que Davi se enamorou da mulher de um de seus oficiais:

II Samuel:

12.7   Então Natã disse a Davi: — Esse homem é você. E é isto o que diz o SENHOR, o Deus de Israel: “Eu tornei você rei de Israel e o salvei de Saul.

12.8   Eu lhe dei o reino e as mulheres dele; tornei você rei de Israel e de Judá. E, se isso não bastasse, eu lhe teria dado duas vezes mais.

12.9   Por que é que você desobedeceu aos meus mandamentos e fez essa coisa tão horrível? …

E lá vieram os castigos, ou melhor, as consequências do seu ato impensado.

 

Vamos lembrar que não é só o Velho Testamento que fala de repreensão. Ilustrando com o ensino de Paulo a Timóteo:

2 Timóteo
4.1   Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino:

4.2   prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina.

 

Ouso afirmar que uma das razões que vem fazendo o Brasil “escafundar-se[i]” na corrupção é justamente a falta de repreensão às nossas autoridades. Vou começar a expor minha tese lembrando o nosso Congresso Nacional. Vejam uma de suas atribuições constitucionais:

Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:

X – fiscalizar e controlar, diretamente, ou por qualquer de suas Casas, os atos do Poder Executivo, incluídos os da administração indireta;

Ora, e como são preenchidos os cargos de Ministros e altos escalões das empresas estatais? Quem já não ouviu falar em “toma lá, dá cá”? Se indicam seus apaniguados – o Presidente só os nomeia – como é que é que irão fiscalizar e controlar?

Pior ainda: Deputados e Senadores adoram serem nomeados Ministros. Seus colegas, que os colocaram lá, serão severos com suas falcatruas? Não, em absoluto. Aliás, é isto que esperam desde que os “benefícios” sejam divididos. Mais ainda: houve um tempo que o executivo  escolhia Deputados e Senadores de elevado gabarito, comprovada experiência e conhecimento técnico para auxiliá-lo na administração da Nação – mas agora não; deslavadamente indicam inexperientes, incompetentes etc., com um único mérito – é do partido, ou seja, vai atender os interesses do grupelho. E não precisa ficar temeroso: estão sob a proteção da imunidade parlamentar; serão julgados pelo SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, ou seja, nunca serão condenados, seja lá o que roubarem.

SE, realmente, sua competência o recomenda para um cargo no Executivo, o mínimo que poderia fazer é abrir mão do seu mandato como Deputado ou Senador, ficando impedido de voltar a uma destas casas por quatro ou cinco anos após o desligamento do cargo pretendido.

 

Vocês sabem que são três os Poderes que dirigem a Nação: O Executivo, o Legislativo e o Judiciário. Os dois primeiros, já mostramos, estão trabalhando do em conluio. E o Judiciário?

SEÇÃO II – Do Supremo Tribunal Federal

Art. 101. O Supremo Tribunal Federal compõe-se de onze Ministros, escolhidos dentre

cidadãos com mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos de idade, de notável

saber jurídico e reputação ilibada.

Parágrafo único. Os Ministros do Supremo Tribunal Federal serão nomeados pelo

Presidente da República, depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado

Federal.

Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição,

cabendo-lhe:

No SERMÃO…XXXVIII, exemplificando péssimo exemplo a respeito de suborno,  já citei o caso de um recém admitido Ministro do SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Recomendo a leitura do artigo de Ricardo Setti, de 22/julho/2011, na revista Veja.

Por ter sido no passado consultor jurídico da bancada do PT na Câmara dos Deputados e consultor jurídico de uma entidade ligada ao petismo como a CUT, o ministro apresenta um flanco vulnerável em relação a sua isenção – sem contar que seu magérrimo currículo é, provavelmente, o mais pobre entre todos os de 163 ministros que já compuseram o Supremo desde o início da República, em 1889.

http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/politica-cia/ministro-do-stf-tem-sim-a-obrigacao-de-esclarecer-se-houve-mordomia-indevida-em-sua-viagem-a-italia/

Você, meu amigo, analisando o currículo de um advogado onde apenas consta que foi Consultor Jurídico de bancada de Deputados (isto tem existência jurídica? Como foi obtida a informação?) e consultor da CUT, acreditaria que o dito cujo é possuidor de notável saber jurídico? O Senado do Brasil acreditou. Menos esclarecidos que nós eles não são, mas acreditaram. Por que? Eu arriscaria dizer que assim o homem tem rabo preso com eles e não vai criar nenhum caso quando as “intrigas da oposição” levarem alguma de suas falcatruas à julgamento.

E o digo com o apoio de uma MINISTRA do CNJ:

Hoje é a política que define o preenchimento de vagas nos tribunais superiores, por exemplo. Os piores magistrados terminam sendo os mais louvados. O ignorante, o despreparado, não cria problema com ninguém porque sabe que num embate ele levará a pior. Esse chegará ao topo do Judiciário.

E a Senhora ELIANA CALMON esclarece muitas outras coisinhas estarrecedoras:

http://upecbrasil.blogspot.com/2011/09/corrupcao-no-judiciario.html

 

Ao que tudo indica, o “toma lá, da cá” também se estende ao terceiro poder da Nação. Vejam esta notícia do Estadão em 22 de setembro/2011:

STF reajusta em 59% auxílio-moradia

Membros do Supremo decidiram aumentar o valor de benefício próprio; decisão pode provocar efeito cascata em todo o Judiciário.

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) se auto-concederam um aumento no auxílio-moradia pago pela corte. Numa sessão administrativa ocorrida ontem, eles aumentaram em 59,19% o valor do benefício, passando dos atuais R$ 2.750 para R$ 4.377,73. É provável que a decisão leve a um efeito cascata no Judiciário, pois outros órgãos também pagam auxílio moradia a seus juízes e auxiliares. 

Se o Judiciário não se sente bem “repreendendo” o Legislativo e o Executivo, estes, eventualmente irão censurar o Judiciário? Aliás, este Poder não gosta mesmo de ser censurado, está acima dos mortais que lhes paga o salário. Eu pelo menos não encontrei nenhuma opção de enviar-lhes uma mensagem dizendo-lhes o como apreciamos os seus “doutos” julgamentos, por exemplo: postergar a validade da Ficha Limpa; investigação completa, competente e recheada de provas que tenham partido de “denúncia anônima” não tem validade jurídica (contra os poderosos, evidentemente); provas cabais contra políticos poderosos que tenham se valido inclusive de “escuta telefônica” não previamente autorizada, também não tem valor.

Mateus
23.27   Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia!

 

E NÓS, POBRES BRASILEIROS PAGADORES DE IMPOSTOS, COMO FICAMOS?

Só nos conforta o ensinamento bíblico:

Provérbios
13.18   Quem rejeita a correção acabará pobre e na desgraça, mas quem aceita a repreensão é respeitado.

  Provérbios
15.31   Aquele que aceita a repreensão justa andará na companhia dos sábios.

15.32   Quem rejeita conselhos prejudica a si mesmo, mas quem aceita a correção fica mais sábio.

DE MINHA PARTE, SE ACHAREM QUE FALEI BESTEIRA, PODEM DESCER O PAU. PROMETO NÃO ME OFENDER E TENTAR ME CORRIGIR.

ESPERO CONTINUAR.


[i] Neologismo criado por mim. Juro que existia a palavra, mas não a encontrei em dicionários pátrios (esqueceram!!!!). Significa atolar-se profundamente, emaranhar-se perdidamente…