PACIÊNCIA E ARROGÂNCIA

Bíblia de Jerusalém, Eclesiastes 7:

8 Mais vale terminar de falar que começar, e mais vale paciência que arrogância.

 

O rodapé da Bíblia de Jerusalém, como vocês se recordam, dá ao texto de Eclesiastes 7:8 – 8:17 o título de  SANÇÃO e indica o verso oitavo do capítulo 7 como uma refuta, ou uma indicação à refuta de duas teses bíblicas, a saber:

o princípio da retribuição coletiva: se Israel for fiel, será feliz; se for infiel, será infeliz.

Deus retribui a cada um segundo as suas obras.

Aquele estabelecido na Lei e este último derivado daquele, segundo o entendimento dos livros sapienciais. Indicamos, anteriormente, as porções das Escrituras que apoiavam estes pontos de vista. Os tradutores da Bíblia de Jerusalém indicam ainda uma “acomodação” especialmente para esta segunda tese: “Se, pelo contrário, a experiência desmentia a validade desse princípio, afirmava-se que a felicidade do ímpio é efêmera, e passageira a infelicidade do justo (cf. Sl. 37 e os amigos de Jó).”

Temendo ter deixado passar algum esclarecimento, declaro não compreender como o verso acima (Eclesiastes 7:8) poderia estar refutando as mencionadas teses. Mas isto não invalida o sintético ensino: Mais vale terminar de falar que começar, e mais vale paciência que arrogância.

A primeira parte da sentença é quase que autoexplicativa. Terminar de falar faz bem ao falante e aos ouvintes. Aquele por que se sente honrado em poder expressar o que pensa; estes por que, além de terem uma nova opinião, dão mostras de civilidade não interrompendo alguém que contribui com suas ideias. Começar e não chegar ao termo de uma fala pode significar que o assunto sobre o qual se pronunciava não estava de todo entendido ou que houve a violência de quem não tem intenção de conhecer novos ângulos de uma questão.

Vamos, pois, apenas falar um pouquinho sobre paciência e arrogância.

Segundo a Wikipédia, Paciência é a virtude de manter o controle emocional “equilibrado” ao longo do tempo. Algumas características:

1)Está relacionada à tolerância, isto é, à capacidade de admitir, sem exasperação, os erros ou os fatos indesejados. É capaz de suportar incômodos e dificuldades de toda ordem, em qualquer hora ou em qualquer lugar.

2)É a capacidade de persistir em uma atividade difícil, tendo uma postura tranquila e acreditando que irá conseguir o que quer.

3) É ter a sabedoria de ser perseverante e ficar na expectativa do momento certo para determinadas atitudes; de aguardar em paz a compreensão que ainda não tenha obtido.

4) É a capacidade de ouvir alguém com atenção e sem ter pressa.

5) É capacidade de se libertar da ansiedade.

Alguns pensamentos podem ilustrar o termo.

Quem sabe esperar o bem que deseja não toma a decisão de se desesperar se ele não chega; aquele que, pelo contrário, deseja uma coisa com grande impaciência, põe nisso demasiado de si mesmo para que o sucesso seja recompensa suficiente. Há pessoas que querem tão ardente e determinantemente certa coisa, que por medo de perdê-la, não esquecem nada do que é preciso fazer para perdê-la. As coisas mais desejadas não acontecem; ou se acontecem, não é no tempo nem nas circunstâncias em que teriam causado extraordinário prazer. 

Jean de La Bruyére, in “Os Caracteres”

http://www.citador.pt/textos/saber-esperar-jean-de-la-bruyere

 

Paciência e perseverança tem o efeito mágico de fazer as dificuldades desaparecerem e os obstáculos sumirem.

John Quincy Adams

Aquele que tiver paciência terá o que deseja.

Benjamim Franklin

Não há problema que não possa ser solucionado pela paciência.

Chico Xavier

Se fiz descobertas valiosas, foi mais por ter paciência do que qualquer outro talento.

Isaac Newton

Consideremos a Arrogância.  Como a define o Aurélio:

Substantivo  feminino.
1.Orgulho que se manifesta por atitudes altivas e desdenhosas; soberba.
2.Insolência, atrevimento. [Sin. ger., desus.: arrogo.]

A Wikipédia:

s.f. Atitude altaneira; altivez; orgulho; insolência: ele mostra arrogância no trato.

A Arrogância costuma demonstrar a falta de humildade – eu fico pensando se o que não tem confiança em si próprio também não age assim para se esconder. Quem se manifesta com esta atitude passa a imagem de quem não deseja ouvir os outros; a soberba o inibe de aprender algo ou sentir-se ao mesmo nível do seu próximo.

A Igreja Católica coloca a Soberba  que inclui Arrogância e a Vaidade como um dos Sete Pecados Capitais.

Mas a Arrogância contém também seu aspecto positivo: pode ser sinônimo de coragem de assumir as suas próprias opiniões, identidade ou personalidade.

Ilustremos:

“Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil da nossa arrogância e vaidade. No fundo, somos os mais bonitos…”

Rubem Alves

A futilidade é a alma gêmea da ignorância. A arrogância é a alma gêmea da incompetência. A vaidade é a mãe delas.

Maria Angélica Carnevali Miquelin

A arrogância que nos leva a acreditar que somos superiores aos outros, tem origem no medo de sermos inferiores.”

Mark W. Baker in Jesus o maior Psicólogo que já existiu

A arrogância sempre é o véu que está na iminência de ser despido para efetivamente mostrar a ignorância tal como é: nua, crua e feia de doer.

Eder Siegel

Assim, em que pese o aspecto positivo da Arrogância, fica claro o acerto do Coélet quando afirma:

Mais vale terminar de falar que começar, e mais vale paciência que arrogância.

 ESPERO CONTINUAR