Setenta anos é o tempo de nossa vida,

oitenta anos se ela for vigorosa;

e a maior parte deles é fadiga e mesquinhez,

pois passam depressa, e nós voamos.

Salmo 90:10

Sem cólera e sem saudosismo.

Eclesiastes 7:

9 Não te deixes arrebatar pela cólera, porque a cólera se aloja no peito do néscio.

10 Não perguntes: “Por que os tempos passados eram melhores do que os de agora?” Não é pergunta motivada pela sabedoria.

11 Boa é a sabedoria acompanhada de patrimônio: é de proveito àqueles que veem o sol.

12 Estar ao abrigo da sabedoria é como estar ao abrigo do dinheiro, e a vantagem do saber é que a sabedoria preserva a vida de quem a possui.

 

Este texto está sob a seguinte indicação da Bíblia de Jerusalém: Coélet responde com ceticismo[i]. Lembremos que esta indicação está vinculada ao princípio da “Retribuição coletiva a Israel” que se transformou em “Deus retribui a cada um segundo as suas obras”.

 

O verso 9 encontra respaldo em outros textos bíblicos:

Provérbios (Almeida Revista e Atualizada)
22.24   Não te associes com o iracundo[ii], nem andes com o homem colérico,

Tiago (Almeida Revista e Atualizada)
1.19   Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar.

Acredito que a grande maioria de nós irá também concordar que a ira não é boa companheira. Para não alongar, deixo abaixo uma poesia de Charles W. Penrose, que me parece faz parte do hinário da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Controla teus sentimentos, Oh meu irmão;

Treina tua alma irritada, impulsiva.

Não lhe sufoques a emoção,

Mas deixa que a controle a voz da sabedoria.

Controla teus sentimentos; existe poder

Na mente serena e calma.

A paixão despedaça a torre da razão,

Torna cega a mais clara visão.

 

Controla teus sentimentos; nunca condenes

Quer amigo ou inimigo,

Mesmo que a maré de acusações

Flua como uma torrente da verdade.

Ouve a defesa antes de julgares,

E um raio de luz brilhará,

Mostrando-te a sujeira que se esconde

Sob a falsa acusação.

Controla teus sentimentos, Oh meu irmão;

Treina tua alma irritada, impulsiva.

Não lhe sufoques a emoção,

Mas deixa que a controle a voz da sabedoria.

O artigo no qual a encontrei inserida é edificante. Confiram:

http://lds.org/conference/talk/display/0,5232,89-2-776-23,00.html

 

O verso 10 encontra apoio em Livro das Escrituras tido como apócrifo pelos evangélicos:

 

Eclesiástico 36:16 Todas as obras do Senhor são magníficas, todas as suas obras são executadas pontualmente. Não é preciso dizer: “O que é isto? Por que aquilo?” Porque tudo deve ser estudado a seu tempo.

Eclesiástico 39:33-34 Todas as obras do Senhor são boas, ele supre toda necessidade na hora devida. (34) Não se pode dizer: “Isto é pior do que aquilo”, porque tudo, no seu tempo, será reconhecido bom.

Se tudo vem do Criador e tudo o que faz o Criador é perfeito, não se pode alegar que as coisas do passado eram melhores – seria um contrassenso. Então, quando eu recordar minha meninice e a época de minha juventude – e de uns anos para cá me tornei insistente em lembrar estes bons tempos – devo ter ciente que aquela BOA época era tão BOA como a de agora.  Recordar é viver, diz o dito popular, mas recordar para apreciar melhor o presente. Ter saudades sim dos momentos felizes e sofridos, dos amigos, tanto dos que ainda nos fazem companhia como dos que já não estão mais perto de nós; aprender com os acertos do passado e tirar lições dos atos impensados, com aquilo que fizemos e com aquilo que deixamos de fazer. Mas nunca esquecer: o que ocorre agora é tão BOM como o que aconteceu ontem – e, de certa forma, até MELHOR pois a experiência adquirida nos dá condições de apreciá-lo e desfrutá-lo em maior profundidade. E, interessante, por aí se vê que o BOM, o MELHOR, o PIOR etc., está sempre e apenas em nossa cabeça e não nos eventos propiciados pela Natureza. Mas, quanto à tese de “retribuição segundo as obras”, esta afirmação parece neutra.

E os versos 11 e 12?

11 – Boa é a sabedoria acompanhada de patrimônio: é de proveito àqueles que veem o sol.

12 – Estar ao abrigo da sabedoria é como estar ao abrigo do dinheiro, e a vantagem do saber é que a sabedoria preserva a vida de quem a possui.

Se entendermos que “sabedoria” é igual a “boas obras”, poderíamos desconfiar de um certo sarcasmo, pois aquela só é completa acompanhada de “patrimônio”, mais do que isto, “os bons ventos” estariam soprando pela ação do “Sábio”, não do Criador: contudo, o Coélet já afirmou em Ecl. 5:19 que a riqueza e o “poder” dela desfrutar é um dom de Deus; e lá no capítulo 2, verso 26 afirma, com todas as letras, a tese dominante: “Porque ao homem que é bom diante dele, dá Deus sabedoria e conhecimento e alegria; mas ao pecador dá trabalho, para que ele ajunte, e amontoe, e o dê ao bom…” Então o melhor é apreciarmos os versos em si mesmos, esquecendo a “retribuição segundo as obras”.

Estamos diante de um “bem aventurado”, pois além de sabedoria foi-lhe concedido a riqueza. Está em uma situação tranquila (como a de Jó, provavelmente…). Por esta tranquilidade peço aguardarem um pouco mais, quando falaremos sobre os versos 16 a 18 deste capítulo de Eclesiastes e falaremos mais demoradamente sobre a sabedoria.

ESPERO CONTINUAR


[i] Aurélio: ceticismo, [De céptico + -ismo.]  Substantivo masculino.  1.Filos. Atitude ou doutrina segundo a qual o homem não pode chegar a qualquer conhecimento indubitável, quer nos domínios das verdades de ordem geral, quer no de algum determinado domínio do conhecimento. [Cf. dogmatismo (1).] … 3.Estado de quem duvida de tudo; descrença. [Var.: cepticismo.]

[ii] Aurélio: irascível [Do lat. irascibile.]  Adjetivo de dois gêneros.  1.Que se ira com facilidade; iracundo, irritável: