Este texto recebi de meu jovem amigo Glenn Stuart, em abril/2011. Sábios ensinamentos para problemas de nosso dia-a-dia. É bom pensar a respeito.

ABRINDO E FECHANDO PORTAS

É  preciso saber sempre quando se acaba uma etapa da vida.

Se insistimos em permanecer nela, depois do tempo  necessário, perderemos a alegria e o sentido do resto.

Fechando círculos, fechando portas ou fechando capítulos, como queira chamar, o importante é poder fechá-los, deixar ir momentos da vida que se vão enclausurando.

Terminou seu trabalho?
Acabou a relação?
Já não mora mais nessa casa?
Deve viajar?
A amizade acabou?
Você pode passar muito tempo do seu presente dando voltas ao passado, tentando modificá-lo…

O desgaste será infinito, porque na vida, você, seus amigos, filhos, irmãos, todos estamos destinados a fechar capítulos, virar páginas, terminar etapas ou momentos da vida, e seguir adiante.

Não podemos estar no presente sentindo falta do passado.

O que aconteceu, aconteceu.

Não podemos ser filhos eternamente, nem adolescentes eternos, nem empregados de empresas inexistentes, nem ter vínculos com quem não quer estar vinculado a nós.

Os acontecimentos e as pessoas passam por nossas vidas e temos que deixá-los ir!

Por isso, às vezes é tão importante esquecer de lembrar,  trocar de  casa, rasgar papéis, jogar fora presentes desbotados, dar ou vender livros…

Na vida ninguém joga com cartas marcadas, e a gente tem que aprender a perder e a ganhar.

O  passado passou: não espere que o devolvam.

Também não espere reconhecimento,   ou que saibam quem você é.

A vida segue para frente, nunca para trás.

Se você anda pela vida deixando portas “abertas”, nunca poderá  desprender-se, nem viver o hoje com satisfação.

Casamentos, namoros ou amizades que não se fecham, possibilidades de “regresso” (a quê?), necessidade de esclarecimentos, palavras que não foram ditas, silêncios

Fazer a faxina emocional e arrumar espaço nas gavetas do futuro para o novo.

Não por orgulho ou soberba, mas porque você já não se encaixa alí, naquele lugar, naquele coração, naquela casa, naquele escritório, naquele cargo…

Você já não é o mesmo que foi há dois dias, há três meses, há um ano… portanto, nada tem que voltar.

Feche a porta, vire a página, feche o círculo!

Você nunca será o mesmo, e nem o mundo à sua volta, porque a vida não é estática.

Faz bem à saúde mental cultivar o amor por você mesmo, desprender-se do que já não está em sua vida.

Lembre-se de que nada, nem ninguém, é indispensável…

É um trabalho pessoal aprender a viver com o que dói, deixar-se ir e aprender a desprender-se.

E isso o ajudará definitivamente a seguir para a frente com tranqüilidade.

Essa é a vida que todos precisamos aprender a viver…