Tag Archive: textos bíblicos


JÁ QUE AMANHÃ É DOMINGO, ENRIQUEÇO ESTA SÉRIE “SILÊNCIO” COM ALGUNS TEXTOS BÍBLICOS.

 

O Silêncio e a Devoção

Salmos
131.1   SENHOR, não é soberbo o meu coração, nem altivo o meu olhar; não ando à procura de grandes coisas, nem de coisas maravilhosas demais para mim.

131.2   Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma; como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, como essa criança é a minha alma para comigo.

 

O Silêncio na hora certa

Eclesiastes
3.1   Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu:

3.2   há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou;

3.3   tempo de matar e tempo de curar; tempo de derribar e tempo de edificar;

3.4   tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar de alegria;

3.5   tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar;

3.6   tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de deitar fora;

3.7   tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de estar calado e tempo de falar;

3.8   tempo de amar e tempo de aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz.

 

 

O Silêncio omisso

Salmos
39.1   Disse comigo mesmo: guardarei os meus caminhos, para não pecar com a língua; porei mordaça à minha boca, enquanto estiver na minha presença o ímpio.

39.2   Emudeci em silêncio, calei acerca do bem, e a minha dor se agravou.

39.3   Esbraseou-se-me no peito o coração; enquanto eu meditava, ateou-se o fogo…

 

 

O Silêncio e a espera

Lamentações
3.25   Bom é o SENHOR para os que esperam por ele, para a alma que o busca.

3.26   Bom é aguardar a salvação do SENHOR, e isso, em silêncio.

3.27   Bom é para o homem suportar o jugo na sua mocidade.

3.28   Assente-se solitário e fique em silêncio; porquanto esse jugo Deus pôs sobre ele;

 

O Silêncio prudente

Amós
5.12   Porque sei serem muitas as vossas transgressões e graves os vossos pecados; afligis o justo, tomais suborno e rejeitais os necessitados na porta.

5.13   Portanto, o que for prudente guardará, então, silêncio, porque é tempo mau.

 

O Silêncio aquiescente

Mateus
26.60   E não acharam, apesar de se terem apresentado muitas testemunhas falsas. Mas, afinal, compareceram duas, afirmando:

26.61   Este disse: Posso destruir o santuário de Deus e reedificá-lo em três dias.

26.62   E, levantando-se o sumo sacerdote, perguntou a Jesus: Nada respondes ao que estes depõem contra ti?

26.63   Jesus, porém, guardou silêncio. E o sumo sacerdote lhe disse: Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus.

 

O Silêncio aquiescente

Marcos
3.2   E estavam observando a Jesus para ver se o curaria em dia de sábado, a fim de o acusarem.

3.3   E disse Jesus ao homem da mão ressequida: Vem para o meio!

3.4   Então, lhes perguntou: É lícito nos sábados fazer o bem ou fazer o mal? Salvar a vida ou tirá-la? Mas eles ficaram em silêncio.

 

O Silêncio culposo

Marcos
9.32   Eles, contudo, não compreendiam isto e temiam interrogá-lo.

9.33   Tendo eles partido para Cafarnaum, estando ele em casa, interrogou os discípulos: De que é que discorríeis pelo caminho?

9.34   Mas eles guardaram silêncio; porque, pelo caminho, haviam discutido entre si sobre quem era o maior.

9.35   E ele, assentando-se, chamou os doze e lhes disse: Se alguém quer ser o primeiro, será o último e servo de todos.

 

O Silêncio reverencial

Atos dos Apóstolos
22.1   Irmãos e pais, ouvi, agora, a minha defesa perante vós.

22.2   Quando ouviram que lhes falava em língua hebraica, guardaram ainda maior silêncio. E continuou:

 

O Silêncio reverencial

Apocalipse
8.1   Quando o Cordeiro abriu o sétimo selo, houve silêncio no céu cerca de meia hora.

 

O Silêncio reverencial

Habacuque
2.20   O SENHOR, porém, está no seu santo templo; cale-se diante dele toda a terra.

Anúncios

Compartilho com meus amigos um pedacinho de um artigo do livro A Cabala da Comida de Nilton Bonder. É um comentário à “benção” que o Eterno, através de Moisés, recomendou que Arão utilizasse para abençoar os filhos de Israel.

“Que o Eterno te abençoe e te guarde.” Por que “abençoe” e “guarde”? Então aquele que é abençoado já não obtém tudo? Muitas vezes a prosperidade traz junto consigo coisas ruins, por esta razão os sacerdotes abençoavam assim. Desejavam que fôssemos “abençoados” pela prosperidade, mas que também fôssemos “guardados”, protegidos dela.

Daqui podemos derivar uma importante compreensão sobre a complexidade da vida. Há uma parceria constante entre este mundo e outros, entre o ser humano e a divindade. Pois a bênção não é o estado de graça, não é nela que se completa a expectativa humana de viver a vida. É no “guardar-se” que se estabelece um contato entre céus e terra. É da manutenção de portas abertas para outros mundos que advêm fé e capacidade de esperança. Nosso desejo, portanto, não é apenas esperar que estas se abram e despejem sobre nós bênçãos mas de aprender pacientemente a abri-las para um mercado de investimentos muito maior do que aquele que percebemos na dimensão material.

Guardar-se é, portanto, o complemento da bênção, que, como vimos, não determina que se é especial ou “benquisto”. Aquele que é abençoado muitas vezes cai na armadilha de achar-se especial. Quantas pessoas não criam a partir de suas bênçãos materiais visões do mundo que, na verdade, são empecilhos para seu real enriquecimento? …

A CALALA: DA COMIDA, DO DINHEIRO E DA INVEJA (A pessoa se conhece através de seu copo, seu bolso e a sua ira); BONDER, Nilton; @ 1999; Imago Editora, Rio de Janeiro, RJ; Livro dois – ACABALA DO DINHEIRO; VIII – Empecilhos à riqueza – O Outro Lado; pg. 264.

GRATIDÃO

Bloguei, em 02/09/2012, A GRATIDÃO PELO PASSADO PREPARA PARA O FUTURO, de autoria do Dr. Michael Laitman. No mesmo boletim recebido em meu email, estava outro artigo – TUDO COMEÇA COM GRATIDÃO, que pode ser lido na íntegra em http://laitman.com.br/?s=Tudo+come%C3%A7a+com+gratid%C3%A3o.

Chamou-me a atenção a densidade de informes sob o tema em epígrafe. Lembrou-me GLENN STUART MENSAGENS POSITIVAS –  https://www.facebook.com/groups/glennstuartmensagenspositivas/,

que, por influência da Seicho-No-Ie, posta mensagens sobre o assunto com muita frequência.  Compeliram-me a reunir, muito resumidamente – é óbvio -, alguns textos nesta direção.

 

Primeiramente, do TUDO COMEÇA COM GRATIDÃO, também postado pelo Dr. Laitman em 29/08/2012, apenas seu pedacinho final que chama a atenção pelo radicalismo do enfoque (afinal está se falando sobre confiança no Eterno):

Gratidão! Qualquer ação humana, não importa qual, deve começar com isso. Diz-se que, mesmo se uma espada afiada fosse colocada sobre sua cabeça, você ainda teria que agradecer e esperar firmemente que isto fosse apenas para o melhor. Assim, a Luz age em você para que exatamente essas condições críticas o coloquem na atitude correta para com o governo superior.

No dia 1º de set/2012, naquele Blog, foi postado – Gratidão pelo Criador é o Elevador para Novas Subidas, do qual destaco:

No artigo ” O Futuro de Um depende e está ligado à Sua gratidão pelo Passado,” está escrito: O louvor e gratidão que cada um dá ao Criador pelo passado expande os sentimentos, os Kelim, suas propriedades e suas capacidades para sentir e apreciar no coração e na mente a influência do Criador sobre ele. E cada um é exaltado por todos os pontos de interação entre eles, começando a sentir e a compreender a Quem está a apresentar o resultado dos seus trabalhos, e de acordo com isso, expandindo as suas propriedades, ele ascende cada vez mais a novas sensações.

 

Todo mundo conhece aquelas folhinhas da SEICHO-NO-IE que traz uma mensagem para cada dia – agora também disponível na Internet http://www.sni.org.br/#, Mensagem do Dia. Pois é, estes ensinos foram obtidas lá:

Se você tem o hábito de se queixar de tudo, trate de se corrigir. Em vez de pensar no que lhe falta, repare nas coisas que desfruta fartamente e agradeça: “Graças a Deus, tenho isto”, “Que bom ter isto e aquilo!”. Manifeste em palavras essa alegria e verá como ocorrerão fatos gratificantes e felizes.

 

No ser humano está latente a energia infinita. Que precisa ele fazer para exteriorizá-la? Não deve ser obstinado nem querer fazer-se de valente. Basta viver com alegria e boa disposição, agradecendo a tudo e a todos. Com isso, ele consegue manifestar plenamente a maravilhosa força vital. (do livro Kansha no Kiseki(3) – Seicho Taniguchi ).

 

Somos todos dotados da Vida de Deus, que se manifestou neste mundo por meio de nossos antepassados e nossos pais. Estamos vivos aqui e agora graças a eles. Ao cultivarmos gratidão a eles, sintonizamos com as “ondas espirituais” da provisão infinita de Deus e enriquecemos espiritual e materialmente. (do livro Onna no Jodo(6) – Masaharu Taniguchi).

 

É comum a pessoa adoecer após sentir muita raiva, insatisfação ou tristeza. A cura ocorre quando o paciente substitui a raiva pelo perdão, a insatisfação pela gratidão e a tristeza pela alegria, reconhecendo que, graças às adversidades, sua alma pode se aprimorar. (do livro A Verdade, vol. 1, Masaharu Taniguchi).

 

Quando você passar a agradecer a todas as coisas do céu e da terra, tudo se tornará seu aliado. E, então, não haverá nada que o prejudique. Fracasso nos negócios, surgimento de doença, falha na educação dos filhos, enfim, todos os problemas se originam da falta de gratidão. Ao cultivar o sentimento de gratidão, tudo se arranja da melhor maneira. (do livro Vamos ler a “Chuva de Nectar da Verdade , Seicho Taniguchi).

 

E a Bíblia cristã? Sabe o que descobri? Na minha velha Bíblia, não encontrei em sua secção de Concordância Bíblica, a expressão “Gratidão”. Mas é lógico que a gratidão faz parte do dia-a-dia cristão. E a gratidão está entranhada na Bíblia. No Site da Sociedade Bíblica do Brasil – http://www.sbb.org.br – se fizerem uma pesquisa com a palavra “graças” irão jorrar os textos bíblicos. Senão, pegue a sua Bíblia e abra nos Salmos: verão que 99% deles falam de louvor e manifestação de confiança em Deus. Louvar não implica em agradecer? Os cerimoniais e festas estabelecidos no Velho Testamento visam, todos, o louvor e ações de graças ao Criador. Diferentemente da Seicho-No-Ie a cultura judaico-cristã foca todo seu agradecimento, do mais fundo do coração, a Deus – o que faz sentido, pois todas as coisas veem dEle. Agradecer aos pais, aos antepassados, por exemplo, é bom, mas se está na metade do caminho, pois eles vieram de Deus e fomos colocados no mundo por intermédio deles graças à determinação do Eterno. Mas o agradecimento ao Criador não impede, de forma alguma, o agradecimento aos pais, aos irmãos, aos avós, aos amigos – qualquer manifestação de agradecimento e carinho a toda e qualquer pessoa – sempre fará muito bem para eles e para nós também. Mesmo àqueles que agem de forma que possa parecer nos prejudicar. Olha a espada na cabeça. Ensina a Cabala: “Diz-se que, mesmo se uma espada afiada fosse colocada sobre sua cabeça, você ainda teria que agradecer e esperar firmemente que isto fosse apenas para o melhor.”

Não sei se me engano, mas não me parece ser prática das igrejas ditas cristãs agradecer as dificuldades e aqueles que as provocam. Há uma cultura de se personalizar um “inimigo”, um “adversário” (Satã, Diabo….). Contudo, em um belíssimo pronunciamento do apóstolo Paulo aos Romanos, acredito vislumbrar a posição “radical” da Cabala atrás mencionada:

Romanos
5.3   E também nos alegramos nos sofrimentos, pois sabemos que os sofrimentos produzem a paciência,

5.4   a paciência traz a aprovação de Deus, e essa aprovação cria a esperança.

5.5   Essa esperança não nos deixa decepcionados, pois Deus derramou o seu amor no nosso coração, por meio do Espírito Santo, que ele nos deu.

 

Mas vejamos mais alguns  versículos bíblicos ensinando-nos a sermos gratos:

1 Crônicas 16.34   Rendei graças ao SENHOR, porque ele é bom; porque a sua misericórdia dura para sempre. 

Neemias 12.46   Pois já outrora, nos dias de Davi e de Asafe, havia chefes dos cantores, cânticos de louvor e ações de graças a Deus.

Salmos:

30.4   Salmodiai ao SENHOR, vós que sois seus santos, e dai graças ao seu santo nome.

50.14   Oferece a Deus sacrifício de ações de graças e cumpre os teus votos para com o Altíssimo;

69.30   Louvarei com cânticos o nome de Deus, exaltá-lo-ei com ações de graças.

100.4   Entrai por suas portas com ações de graças e nos seus átrios, com hinos de louvor; rendei-lhe graças e bendizei-lhe o nome.

107.8   Rendam graças ao SENHOR por sua bondade e por suas maravilhas para com os filhos dos homens!

118.1   Rendei graças ao SENHOR, porque ele é bom, porque a sua misericórdia dura para sempre.

147.7   Cantai ao SENHOR com ações de graças; entoai louvores, ao som da harpa, ao nosso Deus,

 

Mateus 11.25   Por aquele tempo, exclamou Jesus: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos.

 

Marcos 14.23   A seguir, tomou Jesus um cálice e, tendo dado graças, o deu aos seus discípulos; e todos beberam dele.

Filipenses 4.6   Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças.

Colossenses 4.2   Perseverai na oração, vigiando com ações de graças.

Apocalipse 7.12   dizendo: Amém! O louvor, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graças, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém!

 

Mas quando a lição é gratidão, todo pregador cristão irá se lembrar deste texto:

Lucas

17.12   Ao entrar numa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez leprosos,

17.13   que ficaram de longe e lhe gritaram, dizendo: Jesus, Mestre, compadece-te de nós!

17.14   Ao vê-los, disse-lhes Jesus: Ide e mostrai-vos aos sacerdotes. Aconteceu que, indo eles, foram purificados.

17.15   Um dos dez, vendo que fora curado, voltou, dando glória a Deus em alta voz,

17.16   e prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus, agradecendo-lhe; e este era samaritano.

17.17   Então, Jesus lhe perguntou: Não eram dez os que foram curados? Onde estão os nove?

17.18   Não houve, porventura, quem voltasse para dar glória a Deus, senão este estrangeiro?

17.19   E disse-lhe: Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.

Portanto, a conclusão é esta:

Salmos 37.5

Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará.

Colossenses 3.15  

 Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração, à qual, também, fostes chamados em um só corpo; e sede agradecidos.


Setenta anos é o tempo de nossa vida,

oitenta anos se ela for vigorosa;

e a maior parte deles é fadiga e mesquinhez,

pois passam depressa, e nós voamos.

Salmo 90:10.

SABEDORIA E TOLICE

Eclesiastes 9:

Bíblia de Jerusalém

13 – Outra coisa observei debaixo do sol e foi para mim uma grande lição:

14 – havia numa pequena cidade, de poucos habitantes; veio um rei poderoso que a cercou e montou contra ela grandes obras de assédio.

15 – Havia na cidade um homem pobre, porém sábio, que salvou a cidade com sua sabedoria; mas ninguém se lembrou mais dele.

16 – Por isso eu digo: mais vale a sabedoria que a força, mesmo que a sabedoria do pobre seja desprezada e ninguém faça caso de suas palavras.

17 – Escutam-se antes as palavras calmas dos sábios que os gritos de um capitão de néscios.

18 – Mais vale a sabedoria que armas de guerra. Um só pecado anula muitos bens.

Nova Tradução na Linguagem de Hoje

9.13   Há mais uma coisa que eu vi e que é um bom exemplo de como neste mundo não se dá valor à sabedoria.

9.14   Havia uma pequena cidade onde morava pouca gente. Com o seu exército, um rei poderoso atacou a cidade, construiu rampas de ataque em redor dela e se preparou para derrubar as suas muralhas.

9.15   Morava ali um homem que era pobre, mas muito inteligente; era tão inteligente, que poderia ter salvado a cidade. Acontece que ninguém lembrou dele.

9.16   Eu sempre achei que a sabedoria é melhor do que a força; mas ninguém acredita que uma pessoa pobre pode ser sábia e ninguém presta atenção no que ela diz.

9.17   É melhor ouvir as palavras calmas de uma pessoa sábia do que os gritos de um líder numa reunião de tolos.

9.18   A sabedoria vale mais do que armas de guerra, mas uma decisão errada pode estragar os melhores planos.

Outros textos bíblicos concordes com Coélet.

Eclesiastes
7.19   A sabedoria pode fazer mais por uma pessoa do que dez prefeitos juntos podem fazer por uma cidade.

Provérbios
21.22   Uma pessoa inteligente pode conquistar uma cidade defendida por homens fortes e destruir as muralhas em que eles confiavam.

Provérbios
24.5   Ser sábio é melhor do que ser forte; o conhecimento é mais importante do que a força.

Lembro ainda que no SERMÃO XLIV, também comentando sobre a sabedoria, publiquei o texto de II Samuel 20:16-22 relativo a um caso parecido no qual uma mulher salvou sua cidade da destruição por Joabe, general de Davi, que perseguia Seba, acusado de tentar contra a vida do Rei.

E falando do assombro causado pela sabedoria de gente humilde…

Marcos
6.2   Chegando o sábado, passou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se maravilhavam, dizendo: Donde vêm a este estas coisas? Que sabedoria é esta que lhe foi dada? E como se fazem tais maravilhas por suas mãos?

6.3   Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não vivem aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se nele.

Mas falemos sobre o nosso texto. Verificaram que as versões bíblicas contam histórias ligeiramente diferentes? A Bíblia de Jerusalém está mais conforme com as versões de Almeida, mas confesso acreditar que a Nova Tradução na Linguagem de Hoje está mais coerente. O importante, contudo, é que o cerne da questão não foi alterado: a sabedoria, especialmente a de um homem humilde, foi preterida pela maioria, a multidão, que preferiu dar ouvido aos violentos, que gritavam mais.

Será que o relato expressa uma tendência, ou seja, a multidão, a ‘maioria’ é, via de regra, irracional? Há quem pense assim.

Assim que muitos homens se encontram juntos, perdem-se. A multidão transporta as suas unidades do presente para o passado e precipita-as de cima para baixo: trata-se de um recuo e uma decadência. 

Todo o homem, lá dentro, converte-se noutro – mas pior. Nas multidões, a união é constituída pelos inferiores e fundada nas partes inferiores de todas as almas. São florestas em que os ramos altos não se entrelaçam, mas apenas, em baixo na escuridão, as raízes terrosas. Todos perdem o que os torna diferentes e melhores, enquanto o antigo rústico – que, entre obstáculos, mordaças e açaimos[i], parecia aniquilado – acorda e muge. Em todas as multidões, como em toda a Humanidade, os medíocres são infinitamente mais que os grandes, os calmos que os violentos, os simples que os profundos, os primitivos que os civilizados, e é a maioria que cria a alma comum que imbrica[ii] e nivela todo o agrupamento de homens.

 Giovanni Papini (Escritor – 1881 – 1956), in ‘Relatório Sobre os Homens’

E mais isto do mesmo autor:

A multidão que se chama parlamento nunca se sente tão feliz como quando pode calar com gritos um orador e derrubar um ministro; a multidão que se chama comício agita-se e exalta-se, mal um grito a incita a bradar «Abaixo!» sob as janelas de um inimigo ou a reclamar a cabeça de um indivíduo odiado ou ainda a queimar qualquer símbolo do poder, quer se trate de um panfleto, quer de um palácio de justiça; a multidão reunida num teatro que dá pelo nome de público pode aplaudir uma peça nova, mas, quando estimulada, não hesita em condenar e precipitar à força de uivos e assobios quem supunha tê-lo conquistado e ser-lhe, pelo engenho, superior.

No fundo, toda a multidão é um público, que não quer dispersar sem ter assistido a um espetáculo. No entanto, selvagem como é, prefere os espetáculos trágicos; sente o circo dos gladiadores ou o torneio, mais do que a fábula pastoral. Quando se animaliza, quer sangue – pelo menos, vê-lo.
Estar entre muito incute a sensação de força, ou seja, da prepotência e, ao mesmo tempo, a certeza da irresponsabilidade e da absolvição. 

Giovanni Papini (Escritor – 1881 – 1956), in ‘Relatório Sobre os Homens’

Preocupa-me a racionalidade de um agrupamento de pessoas. O que sempre me vem à cabeça é a própria condenação de Jesus de Nazaré, apesar de que ela própria já havia se ‘maravilhado’ de sua sabedoria (veja Mc 6:2-3 acima). Parece que, reunidas, as gentes são muito suscetíveis ao entusiasmo de oradores, especialmente os mais violentos. É o que diz Papini. Isto talvez fosse muito útil para as batalhas corpo-a-corpo de antigamente, quando a bravura do comandante influenciava decididamente os comandados.

Já Sêneca dá a entender que não está considerando ‘multidão’ como uma reunião de pessoas, mas simplesmente ‘a maioria’ das pessoas.

Se nós nada fizermos senão de acordo com os ditames da razão, também nada evitaremos senão de acordo com os ditames da razão. Se quiseres escutar a razão, eis o que ela te dirá: deixa de uma vez por todas tudo quanto seduz a multidão! Deixa a riqueza, deixa os perigos e os fardos de ser rico; deixa os prazeres, do corpo e do espírito, que só servem para amolecer as energias; deixa a ambição que não passa de uma coisa artificialmente empolada, inútil, inconsciente, incapaz de reconhecer limites, tão interessada em não ter superiores como em evitar até os iguais, sempre torturada pela inveja, e uma inveja ainda por cima dupla. Vê como de fato é infeliz quem, objeto de inveja ele próprio, tem inveja por outros.

Lucius Annaeus Sêneca, filósofo, -4 – 65, in ‘Cartas a Lucilio’

É o que diz também Gustave Le Bon (psicólogo/sociólogo – 1841 – 1931):

A alma popular (…) tem, como principal característica, a circunstância de ser inteiramente dominada por elementos afetivos e místicos. Não podendo nenhum argumento racional refrear nela as impulsões criadas por esses elementos, ela obedece-lhes imediatamente. 

OBS: textos obtidos em

http://www.citador.pt/textos/a-irresponsabilidade-da-multidao-giovanni-papini

Mas para que não me condenem por não olhar o ‘outro lado’, reporto-me a uma resenha de Ruy Flávio de Oliveira sobre o livro A SABEDORIA DAS MULTIDÕES:

O jornalista norte-americano James Surowiecki, no entanto, desafia esta noção em sua obra A Sabedoria das Multidões – Por que os muitos são mais inteligentes que os poucos.

http://www.playit.com.br/leia.asp?id=30

A ‘noção’ desafiada por Surowiecki é justamente a que mencionamos acima, que Ruy Flávio de Oliveira exemplifica com outros eventos, naturalmente. Porém… Para se chegar ao entendimento do Sr. Surowiecki devem ser observadas pelo menos quatro condições:

1.Diversidade – Os indivíduos que compõem a multidão devem ser díspares em suas raízes, formações, opiniões, etc. Aqui o objetivo não é o consenso, mas justamente o contrário: o dissenso.

2. Independência – Os indivíduos devem formar e manter suas opiniões de maneira independente das opiniões dos demais integrantes do grupo, o que contribui para que a diversidade crie o efeito de soma das informações e cancelamento dos ruídos.

3. Descentralização – As decisões que um grupo produz são mais inteligentes quando não há uma força centralizadora coordenando os esforços (e de quebra influenciando o resultado desses esforços).

4. Agregação – Uma vez produzidas (e nem um segundo antes), as opiniões dos componentes do grupo devem ser agregadas, de forma a produzirem uma opinião coletiva.

Tá. Mais aí a ‘multidão’ passa a ser de indivíduos isolados e não fortemente influenciados. Já estamos falando de outra coisa. E com isto até se pode defender entusiasticamente a democracia – pena que os demagogos se aproveitam disto.

Os cabalistas, pelo menos a facção defendida pelo Rabino Michael Laitman defendem que será necessário que apenas 1% da população alcance a espiritualidade para que toda a Natureza seja corrigida. Podemos entender, de outra forma, que também o Sr. Laitman defende que 99% da população é problemática. Apesar disto eu insisto em ser um sonhador, um democrata. É só pensar que a fonte das dificuldades são os sistemas e não as pessoas. É um entendimento antibudista, mas que importa – nós somos cristãos e não budistas (isto é de doer, pois não?). Ou podemos pensar ainda que a ação de 99% da população é para que, pelo sofrimento, a minoria de 1% chegue à iluminação. Piorou? Não tem importância, valho-me da teimosia ítalo-lusitana e continuo democrata.

Concluindo: É lamentável que as maiorias não saibam, com uma frequência assustadora, aproveitar as melhores, as mais prudentes, mais sábias ideias. Mas quem as tiver, por favor, não parem de apresentá-las – algumas poderão vir a lume: água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.

ESPERO CONTINUAR


[i] Aurélio: Cabrestilho que se põe no focinho dos animais para não morderem ou não comerem.

[ii] Aurélio: .Dispor (coisas) de maneira que só em parte se sobreponham umas às outras, como as telhas do telhado ou as escamas do peixe.